VAIDADE-Vanity

a-fonte-da-vaidade

Pensando ser a situação nos tornamos apenas pregos,

querendo tudo nas mãos, desprezamos as  pistas deixadas nos  dedos.

Decoramos palcos, esquecendo a direção das luzes  iluminando os atores…

É aí que a vaidade empobrece.

Viramos a face esquerda, mas  expomos a direita,  quase sempre assustadora e selvagem,

descemos do topo na sombra para não mostrar a exatidão da frágil  imagem.

Reticentes… respiramos  lógicas lógicas.

É aí que a vaidade emudece.

Enroscamos pensamentos, concluímos  irrelevâncias,

ligamos virtudes a linhas frouxas de insensibilidade.

Daí,  acaba tudo…  Escorregamos  ainda mais fundo, derrotados…

É aí que a vaidade embrutece.

Poesias e Cia - Ana de Lourdes Teixeira

a-fonte-da-vaidade

Pensando ser a situação nos tornamos apenas pregos,

querendo tudo nas mãos, desprezamos as pistas deixadas nos dedos.

Decoramos palcos, esquecendo a direção das luzes iluminando os atores…

É aí que a vaidade empobrece.

Viramos a face esquerda, mas expomos a direita, quase sempre assustadora e selvagem,

descemos do topo na sombra para não mostrar a exatidão da frágil imagem.

Reticentes… respiramos lógicas lógicas.

É aí que a vaidade emudece.

Enroscamos pensamentos, concluímos irrelevâncias,

ligamos virtudes a linhas frouxas de insensibilidade.

Daí, acaba tudo… Escorregamos ainda mais fundo, derrotados…

É aí que a vaidade embrutece.

Ver o post original

Anúncios

3 comentários sobre “VAIDADE-Vanity

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s