SILÊNCIO DE ELEVADOR * Elevator Silence

monalisa

Na intimidade dos discretos bocejos,

minutos de mudez dizem segredos…

De onde viemos?

O que trouxemos?

Será para sempre ou é colisão de passagem?

Nascemos de alegrias, recomeços ou viagens?

Quais nomes e apelidos nos deram?

O que de nós cozeram ou comeram?

Aqui. Tristes ou embriagados?

Enlatados, por acaso.

Mártires de um vai e vem,

vigiados de longe e talvez por ninguém.

Calor e frio demais, e a nossa pele exposta.

Perfumes confundidos, mas a gente gosta!

Gente que não se ama, mas não se estranha.

Silêncio que espreme ira, vitórias e entranhas.

Nas volições calculadas falamos sobre tudo!

Das metas, das festas, dos vagabundos…

Do brilho, dos arrepios, dos filhos…

Do tempo, dos defeitos, do nosso jeito.

Neste elevador estamos. Paramos!

Não nos preparamos, não nos planejamos.

Não nos prometemos, não nos esperamos.

Não nos percebemos, porque nunca nos olhamos.

Ana Teixeira – Janeiro, 2018

6 comentários sobre “SILÊNCIO DE ELEVADOR * Elevator Silence

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s